Cervejas Especiais: Conhecendo o Lúpulo

Lúpulo

Lúpulo

Amarga e gelada, essa é a combinação perfeita para um bom cervejeiro. Afinal toda cerveja tem, ao menos no Brasil, de estar gelada. Amarga todas elas são, logo, para gostar desta bebida é importante saber que irá encontrar algo refrescante, porém amargo. Isso nunca foi problema, já que é uma propriedade elogiada pelos cervejeiros. Mas você sabe de onde vem esse amargor?

Pois bem, o lúpulo é o grande causador disso todo. É uma planta que tem divisão de gênero. Para fabricação de cervejas é necessário o uso do lúpulo fêmea. Elas produzem um cone de lúpulo onde encontramos a lupulina, que é a responsável por diversas circunstâncias das cervejas especiais, principalmente. A planta é usada na culinária, servindo para ser acrescida em saladas.

Os diferentes tipos de lúpulo

Existem três tipos de lúpulos para a preparação de cervejas artesanais. Os de amargor, aroma e sabor. Os de responsáveis pelo gosto amargo da cerveja são ricos em ácidos alfa, permanecendo no processo de fervura desde o início até o fim.

Os responsáveis pelo aroma da cerveja são os que têm baixa concentração de ácidos alfa em sua estrutura. São colocados nos últimos 40 a 15 minutos do processo de fervura e dão o cheiro da cerveja, que é bem característico. Quem dá o gosto à cerveja é também são os com baixo nível de ácido alfa. A grande diferença entre o processo de aromatização e gosto é o tempo de fervura, quando o processo de fabricação da cerveja está ocorrendo. É adicionado essa porção da matéria-prima ao mosto, nos derradeiros minutos da fervura, geralmente nos últimos 5.

Quanto mais lupada, mais pesada pode ser a comida

Em questões envolvendo harmonização de cervejas, há uma série de fatores a serem respeitados. O lúpulo dá também, a sugestão de prato para ser degustado ao momento em que se bebe. Por exemplo, comidas pesadas cervejas intensas. São diversos fatores a influenciar a ingestão de cada tipo de cerveja. Conhecendo o seu gosto e recebendo dicas, é tudo mais gostoso.