Resenhas de Filmes Archive

Doze Homens e uma Sentença (12 Angry Men)

Primeiramente não vou citar os diretores, autores e nem muitos menos atores que participaram do filme, me desculpem alguns cinemaníacos, mas considero fatores irrelevantes… Sem dúvida esse é um filme que vale a pena ser visto,  foi filmado primeiramente em 1957 e  depois refilmado em 1999, as filmagens são praticamente idênticas sendo que o filme

Resenha do Filme “Jogos Vorazes”

“Que a sorte sempre esteja a seu favor…” A mídia divulgou esse filme como baseado em séries livros de “teen”, algo como Crepúsculo e Percy Jackson. Então inicio tentando quebrar esse conceito. As questões que o filme relata são bastante moralista, não é somente uma história juvenil. É uma crítica visível ao sistema, ao

O Novo Mundo de Terrence Mallick

“The New World” é uma história de amor e o apanhado de um tempo absolutamente decisivo na nossa história. É um filme do “concreto” a todo o preço. Com um realismo de imagética que é apenas abstração nas suas metáforas, “filme verdade” sobre uma visão de pureza, que ficou a pairar no tempo. Com

Mary de Abel Ferrara

“Mary” é um bom filme, muito à Abel Ferrara, de quem gosto muito. Mesmo dos falhanços absolutos, como “New Rose Hotel”. Mary é um filme de uma honestidade desarmante, apesar de ser mais “parcial” que outros filmes do autor. Mesmo assim a mensagem de “Mary” é deixada tão ao de leve e de forma

“A History of Violence” de Cronenberg

David Cronenberg é dos poucos com bagagem para saber criar os seus próprios paradoxos. Para mudar de registos. É magnífica a transição progressiva entre a inicial estranheza Lynchiana, para a crónica da suposta harmonia familiar com as suas rotinas, e mais á frente em direcção á secura de um bom Western que poderia ser

Sony Libera Trailer Interativo de Looper

Looper é uma produção cinematográfica no estilo sci-fi (ficção científica) estrelado por Joseph Gordon-Levitt (mesmo ator de 500 dias com ela, 50%, A Origem, Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge, ou seja, um ótimo e já consagrado ator) e Bruce Willis (O Sexto Sentido, Duro de Matar, Pulp Fiction, não é preciso nem comentar

The Lovebirds – Frescos de Lisboa

Tenho muita pena que “The Lovebirds” seja um filme que tenda a perder-se no esquecimento. Despretensioso e com pouco orçamento, tem uma leveza e ritmo muito interessantes. Numa Lisboa exclusivamente nocturna há ali histórias, diálogos e personagens que são um achado – puxando os extremos, ou transformando-se em pura poesia… No topo e em

O Che de Soderbergh (II)

Ao entrar-se na Segunda Parte retoma-se a marcha do filme. Como o regresso a um livro que se tenha interrompido por uns tempos. Centrado directamente na Bolívia e omitindo o fracasso do Congo e as viagens pela Europa comunista, “Che II” volta a pôr Che Guevara no cerne da acção que realmente conta para

O Che de Soderbergh

Mais cinema que biopic, mais Robert Bresson que Oliver Stone, gostei muito da contenção, sujidade e rudeza de “Che, O Argentino“. Filme honesto e esforço cinematograficamente estimulante, o realizador Steven Soderbergh é muito cuidadoso na forma como aborda os temas óbvios do filme: os ideiais e a génese de todo o movimento revolucionário cubano

Los Lunes al Sol

Javier Bardem disse que a sua intepretação em “Los Lunes al sol“de Fernando León de Aranoa é a de que mais se orgulha na sua carreira. Talvez lhe dê razão. Pensando na excelência de todos os seus papeis, está lá no topo, se calhar mais até que em “Mar Adentro”, “Antes que Anoiteça” ou