Carne Artificial – Você Sabe o Que é?

Carne Artificial

Carne artificial pode ser produzida em laboratório

Já pensou em comer um hambúrguer ou um bife, ou qualquer outro tipo de carne, desenvolvido em laboratório? Se nunca pensou nessa possibilidade, saiba que a criação de carne artificial (também conhecida como carne in vitro), criada a partir de células-tronco de animais usados na alimentação humana (como bois, carneiros, frangos, etc), já é uma realidade. E não é à toa que há no mundo diversas equipes de pesquisadores, inclusive no Brasil, que estão buscando formas de produzir carnes artificiais, dispensando os já conhecidos mecanismos naturais.

Vantagens

Pode-se dizer que o consumo de carne artificial pode trazer inúmeros benefícios aos animais usados para alimentação humana e ao planeta – e é isso o que pensam os defensores da causa animal. Segundo eles, a carne artificial é desprovida de sistema nervoso e por isso não pode sentir dor; além do mais, o modo como os animais são abatidos nos frigoríficos é cruel demais. Assim, quando a pessoa prioriza o consumo de carne artificial, pode ficar sem peso na consciência por estar se alimentando de um animal.

Outra vantagem – e já comprovada cientificamente – é que a criação de animais para a produção de carne constitui um dos grandes geradores de gases de efeito estufa no mundo, sem contar que essa prática também consome muita água. Segundo estudos publicados pela Universidade de Oxford (EUA), a carne artificial é capaz de produzir entre 78% e 96% menos gases estufa, além de consumir entre 82% a 96% menos água do que a carne produzida de modo convencional. Portanto, a produção de carne em laboratório pode ajudar no combate ao aquecimento global.

Desafios

A despeito de todas as vantagens citadas acima, a produção de carne artificial apresenta diversos desafios, e podemos enumerar os principais:

1. Os pesquisadores reconhecem que é muito difícil criar um tecido similar a carne natural, tanto em sabor como em textura e aparência.
2. Produzir carne em laboratório, a priori, pode ter um preço muito elevado, uma vez que o valor gasto com as pesquisas também deve ser repassado ao consumidor para compensar os investimentos aplicados. Portanto o desafio é produzir carne artificial em escala comercial e com um preço acessível.
3. É preciso avaliar o tempo que a carne artificial levará para ficar pronta para o consumidor final; o desafio será suprir a demanda sem provocar atrasos no abastecimento.
4. Há também os problemas ideológicos relacionados à produção de carne artificial: muitas pessoas se recusarão a fazer uso desse alimento por razões religiosas ou por outros motivos.

Conclusão final

Só o tempo dirá se a carne artificial será um dia aceita pelas pessoas como substituta da carne tradicional, sendo produzida em grande escala, ou se a carne tradicional continuará a ser consumida assim como é hoje. Ademais, não sabemos se os vegetarianos aceitarão esta carne cultivada artificialmente como alternativa ética à carne tradicional. E ainda tem um outro porém: se a carne artificial cair mesmo no gosto popular, não sabemos quais serão as conseqüências para os países que possuem milhões de animais criados para abate, como é o caso do Brasil.