As Mil e uma Noites

As Mil e uma Noites

As Mil e uma Noites

“O Livro das Mil e Uma Noites” é uma coleção de histórias e contos populares originárias do Oriente Médio e do sul da Ásia e compiladas em língua árabe a partir do século IX. No Ocidente, a obra passou a ser amplamente conhecida a partir de uma tradução para o francês realizada em 1704 por Antoine Galland, transformando-se num clássico da literatura mundial.

Suas histórias inclui o folclore indiano, persa e árabe. Não há uma versãoúnica da obra, uma vez que os antigos manuscritos árabes diferem no número e no conjunto de contos. O que é invariável nas múltiplas versões é que os contos estão organizados como uma série de histórias em cadeia narrados por Xerazade, esposa do rei Xariar. Este rei, tendo ficado louco por haver sido traído por sua primeira esposa, desposa uma noiva diferente todas as noites, mandando-as decapitar na manhã seguinte.

Xerazade não só consegue escapar a esse malfadado destino como também cura o rei; contando histórias maravilhosas sobre diversos temas que aguçam a curiosidade dele. Ao amanhecer, Xerazade interrompe cada conto para continuá-lo na noite seguinte, o que a mantém viva ao longo de várias noites, as mil e uma do título,  ao fim das quais o rei já se arrependeu de seu comportamento e desistiu de executá-la.

Durante três anos o rei desposou e sacrificou inúmeras moças, trazidas à sua presença pelo vizir (equivalente a um primeiro ministro) do reino. Certo dia, quando já quase não havia virgens no reino, uma das filhas do vizir, Xerazade, pediu para ser entregue como noiva ao rei, pois sabia um estratagema para escapar ao triste fim que alcançou as moças anteriores. O vizir apenas aceita depois de muita insistência da filha, levando-a finalmente ao rei. Antes de ir, Xerazade diz à irmã, Duniazade, que lhe peça que conte uma história quando for chamada ao palácio do rei.

Xerazade, ao chegar em presença do rei, pede-lhe que permita a vinda de sua irmã menor, para despedir-se. O rei o permite, e Duniazade vem ao palácio e instala-se na câmara nupcial pedindo à irmã que lhe conte uma história para ela dormir. Após respeituosamente pedir a permissão do rei, Xerazade começa a contar a extraordinária “História do mercador e do gênio” mas, ao amanhecer, ela interrompe o relato, dizendo que continuará a narrativa na noite seguinte. O rei, curioso com o maravilhoso conto de Xerazade, não ordena sua execução para poder saber o final da história na noite seguinte. Assim, repetindo essa estratégia, Xerazade consegue sobreviver noite após noite, contando histórias sobre os mais variados temas, desde o fantástico e o religioso até o heróico e o erótico. Ao fim de inúmeras noites e contos, Xerazade já havia tido três filhos do rei, e lhe suplica que a poupe, por amor às crianças. O rei, que há muito havia-se arrependido dos seus atos passados e convencido-se da dignidade de Xerazade, perdoa-lhe a vida e faz dela sua rainha. Duniazade que já estava moça é tornada pelo rei, esposa do seu irmão, Xazamã.

Resumo de http://pt.wikipedia.org/wiki/As_Mil_e_uma_Noites