Apartamento de fundos

Já ouviu falar em especulação imobiliária? Provavelmente sim. Esse visível “boom” de prédios novos por todos os lados vem da certeza de que haverá pessoas em número suficiente para habitar todos os apartamentos, seja por aluguel, seja por compra da casa própria. A certeza é tanta que as construtoras ficam como lobos sobre imóveis colocados à venda pelas famílias que os habitavam. A intenção? Construir um prédio ali também e vender todos os apartamentos.

E existe uma pressa nesse processo. Quanto mais rápido o prédio ficar pronto, mais cedo os apartamentos podem ser habitados – e em geral, quando um prédio fica pronto, todas as unidades já foram vendidas, já que a propaganda começa quando nem mesmo as fundações estão prontas. Para agilizar a construção, usa-se uma grande quantidade de mão-de-obra e investe-se em materiais de fácil aplicação como azulejos de dimensões maiores, maquinário para mistura e aplicação de cimento e portas-balcão sempre que possível, por serem de instalação mais rápida. E como já existem muitos prédios por todos os lados, a tendência é que os ambientes destes e também dos novos prédios se tornem mais escuros, especialmente nos andares mais baixo.

Só com lâmpadas fortes

Aliás, este é um grande problema da atualidade: imóveis escuros e com ventilação reduzida devido à proximidade de outros imóveis – principalmente nos grandes conglomerados de prédios de apartamentos. Famosos pela grande concentração de pessoas em uma área horizontal relativamente pequena, os condomínios verticais são formados, muitas vezes, por dois ou mais prédios de apartamentos construídos em um mesmo lote. Não é difícil imaginar que eles ficam a uma distância curta um do outro – e isso, claro, dificulta a entrada da luz em ambos.

Quanto mais altos os prédios, mais complicado é deixar que a luz solar alcance alguma das janelas, e essa dificuldade aumenta ainda mais nos andares mais baixos. Muitas vezes, em certas épocas do ano, vários apartamentos ficam estações inteiras sem pegar um único raio de sol. Isso é ruim pois a ausência da luz e do calor gerado por ela favorecem a umidade no interior do imóvel, além de tornar necessário acender as lâmpadas cada vez mais cedo (às vezes, antes das 16h). Para o orçamento familiar, isso já é ruim – e se algum membro tiver problemas com a umidade, então…

E como se já não estivesse ruim o bastante, ainda temos uma outra situação bastante desagradável em termos de localização dos prédios: aqueles construídos em terrenos inclinados, em “cortes” de morros e barrancos. Além de dificultar o alcance da luz solar nos apartamentos situados na parte de trás do prédio (“apartamento de fundo”, como é chamado), esse tipo de localização praticamente impede a ventilação adequada pois o vento não “faz a curva” pelo recorte do terreno. Novamente, surge o problema da claridade no interior desses apartamentos e da umidade elevada.

Um problema que pode acarretar em vários outros

Um apartamento que sofre com falta de luminosidade natural pode gerar muito mais problemas do que parece. Se você já ouviu falar sobre o efeito dominó, é hora pensar nele também nessa questão do apartamento. O fato de deixar a luz por mais tempo acesa durante todos os dias pode gerar um cansaço muito maior para os olhos, que antes já era um pouco prejudicada pela TV, computador e celular, e que agora contará com o excesso das luzes ligadas durante grande parte do seu dia.

voce-e-canais-de-filmes-da-cs-claroAlém de te tirar da zona de conforto, toda essa sobrecarga de claridade artificial também pode atrapalhar não só os seus canais de filmes da CS Claro ou assistir suas incontáveis horas de séries na Internet, mas o seu bem-estar e até mesmo suas contas mensais também se tornem pontos negativos.

Falando de soluções

Uma vez construído, pouco se pode fazer por um imóvel nessas condições – mas com um pouco de criatividade, resolve-se ao menos em parte os problemas.

Apartamentos de fundos – assim como aqueles com vista para o apartamento dos outros – costumam ter cozinhas muito escuras, especialmente aquelas que dão acesso à área de serviço. É comum, inclusive, encontrarmos uma destas áreas sem janelas, porque forma construídas viradas para o centro do prédio (acontece). Quando muito, haverá uma janela virada para a chamada “zona de claridade”, uma espécie de chaminé interna do prédio, um “respiro” construído exatamente para possibilitar uma janela a mais em algum cômodo dos apartamentos. Esta zona de claridade não é fechada por telhado, exatamente para possibilitar a passagem de ar e luz nestes cômodos tão internos do os apartamentos – mas, assim como acontece com os apartamentos mais baixos, quanto mais alto o prédio menos luz chega lá em baixo. É alguma luz… mas é pouca.

portas-balcao-solucaoPara ajudar, uma solução possível é substituir a porta de madeira da cozinha por uma porta-balcão de alumínio com folhas de vidro. É uma porta extremamente clara, tanto pela transparência do vidro quanto pela capacidade reflexiva do alumínio. Pode-se conseguir até o dobro da claridade no ambiente, dependendo do caso, pois ela permite que a luz dos dois cômodos trafegue entre eles e se some, permitindo que um se beneficie também da luz do outro.

Uma providência auxiliar é o uso de móveis e eletrodomésticos de cores claras, preferencialmente brancas, que sempre ajudam a refletir a luz por todos os lados.

Já a solução para a ventilação também é simples: a instalação de ventiladores de teto que tenham a função de exaustão (quando as pás lançam o ar pra cima ao invés de para baixo), também conhecida como “reverso”. Mesmo ligado a baixa velocidade, um ventilador na função exaustor faz o ar circular no ambiente com grande eficiência, aumentando a troca gasosa entre o ar no interior do apartamento e o ar de fora.

O que não dá para resolver é o problema da vista nada privilegiada do prédio ao lado – ou do barranco circunvizinho. Mas se uma saída for necessária, um pequeno jardim de vasos na sacada, ou a instalação de belas cortinas nas janelas, ajudará a evitar a visão desagradável. Fazer o quê…