A Conquista de Ceuta

A Conquista de Ceuta

A Conquista de Ceuta

A conquista de Ceuta dá-se em 1415 pelos portugueses que atacaram esta cidade de surpresa e por isso foi facilmente conquistada. Embora, já no reinado de D. João IV os portugueses tenham efetuado viagens às ilhas Canárias de onde trouxeram vários produtos, é a conquista de Ceuta que é considerada como o arranque da expansão portuguesa.

A cidade de Ceuta foi escolhida para o começo da expansão portuguesa, dado que esta constituía um ponto estratégico muito importante para o controlo da navegação entre o mediterrâneo e o atlântico, a esta cidade marroquina chegavam valiosas mercadorias vindas do oriente e do interior africano, o que aumentava ainda mais o interesse de Portugal na sua conquista. Para além dos aspectos já referidos, Portugal tinha interesse em conquistar Ceuta porque viam esta conquista como uma possibilidade de enfraquecer o poder dos muçulmanos que eram considerados inimigos da fé cristã.

Apesar da conquista de Ceuta ter marcado o arranque da nossa expansão e ter ficado marcada pelo seu êxito militar, visto que foi conquistada com facilidade pelos portugueses, a nível econômico esta conquista foi considerada um autêntico fracasso, pois os Muçulmanos passaram a dirigir o comércio para outras cidades deixando Ceuta sem um dos pontos de interesse e riqueza que tanto importava, para além disto as constantes lutas que os muçulmanos desencadeavam para recuperar a posse da cidade impossibilitava o cultivo nos campos da cidade o que retirava valor à cidade.

Após os fracos resultados econômicos obtidos na conquista de Ceuta os portugueses continuam a efetuar novas viagens marítimas com o objectivo de continuar a conquistar terras, sobretudo em zonas produtoras de ouro, é a partir desta altura que começam as verdadeiras aventuras dos descobrimentos portugueses, pois é a partir desta altura que se começam as viagens a terras desconhecidas em busca de atividades comerciais lucrativas.

É de salientar que a partir da conquista de Ceuta a iniciativa de prosseguir as viagens dos descobrimentos é do Infante D. Henrique, filho de D. João I, que teve um papel fundamental na primeira fase da expansão portuguesa.

Em suma pode dizer-se que, durante o reinado de D. João I, de acordo com Mattoso, J. (1993, pág.498), podem distinguir-se duas fases, uma até 1411, “marcada pela guerra com Castela, de independência e fortalecimento da nação”, e a segunda até ao fim de 1433, “pela guerra expansionista de Marrocos e início das explorações atlânticas”.

Bibliografia:

Mattoso, J. (1993). História de Portugal (II Volume). Coleção Círculo de Leitores.