A Casa de Bernarda Alba

Único texto de teatro escrito em prosa por Federico Garcia Lorca, um dos mais importantes escritores espanhóis.

A personagem central do texto é Bernarda Alba, uma matriarca severa e dominadora que mantém as cinco filhas, Angústia, Madalena, Martírio, Amélia e Adela sob vigilância implacável, transformando a casa onde vivem, em um pequeno povoado na Espanha, em um verdadeiro inferno para todas elas.

A Casa de Bernarda Alba

A Casa de Bernarda Alba

Com a morte de seu segundo marido, Bernarda decreta um luto de oito anos e exige que suas filhas fiquem reclusas dentro de casa com portas e janelas trancadas enquanto durar o período imposto por ela. Duas das moças, Angústia e Adela, porém, apaixonam-se por um mesmo galanteador das redondezas, um rapaz jovem chamado Pepe Romano. Prometendo se casar com Angústia, o rapaz tem encontros clandestinos com Adela, a mais jovem das irmãs.

Como o matrimônio não pode ser contraido durante o período de luto, Pepe investe nos encontros às escondidas com a irmã mais liberal da futura noiva. Esses fatos avançam em crescente tensão e desencadeiam na casa enlutada uma disputa cruel e perigosa em que as irmãs lutam para conquistar o amor daquele mesmo homem.
Descobertos, os amantes são obrigados a enfrentar a realidade de que não há futuro possível ´para eles, Bernarda atira contra Pepe, que desesperado foge, sem ser atingido. Adela suicida-se. Bernarda tomando conhecimento de todo o drama insiste em afirmar que a filha era virgem e exige que o cadáver seja preparado para o enterro pelos moldes tradicionais espanhóis, ou seja como uma donzela.

A frase da matriarca no desfecho da peça revela seu caráter implacável e a força interior dessa mulher:

– Não quero choros! É preciso olhar a morte cara a cara. Calem-se todas (às filhas). Lágrimas somente quando estiverem sós.Havemos de nos afundar todas em um mar de luto. Ela, a filha mais nova de Bernarda Alba, morreu virgem! Ouviram! Silêncio, silêncio, já disse. Silêncio!
Cai o pano.